YouTube contratará mais funcionários para excluir vídeos impróprios

Em um novo anuncio, o YouTube revelou que contratará mais funcionários ainda no mês de dezembro de 2017 para cuidar dos conteúdos postados na plataforma. A intenção da grande plataforma de vídeos do Google é exterminar completamente qualquer vídeo que ofereça conteúdos violentos ou que sejam considerados extremistas. A empresa informou que o número de funcionários que já atuam nesta área específica deverá alcançar a marca de 10 mil ainda neste ano. Contudo, o YouTube não revelou o total atual de funcionários que trabalham na função.

A CEO Susan Wojcicki da plataforma de vídeos do YouTube, revelou em relação a nova política de extermínio de conteúdos inapropriados: “Eu vi como indivíduos ruins estão explorando nossa abertura para enganar, manipular, assediar ou mesmo ferir”.

A empresa já informou em outro anuncio que desde a adesão da nova política em junho deste ano, cerca de 2 milhões de vídeos que continham violência extrema passaram por revisões manuais de seus funcionários. Durante este período, o YouTube também informou que mais de 150 mil vídeos foram excluídos por conter violência considerada extrema.

O YouTube também informou que essa estratégia de excluir manualmente vídeos com conteúdos impróprios na plataforma auxiliará o machine learning, uma tecnologia com robôs que aprendem de forma interativa, em seu treinamento para identificar de forma automática esse tipo de conteúdo e removê-los. Essa tecnologia que já é utilizada pela empresa, utiliza a interatividade das ações humanas para aprender a tomar decisões importantes.

Embora a plataforma já conte com um grande número de funcionários atuando na função, o machine learning ainda é o que mais identifica vídeos com conteúdos extremistas e violentos, chegando a 98% dos vídeos encontrados no YouTube. A empresa informou que desde a implantação da ferramenta, o machine learning fez o trabalho equivalente de 180 mil funcionários trabalhando em jornada de 40 horas semanais.

Além disso, a empresa ainda revelou que o machine learning foi responsável por contribuir na exclusão de quase cinco vezes mais vídeos do que os funcionários sozinhos. Susan revelou sobre o assunto: “Revisores humanos continuam sendo essenciais tanto para a remoção de conteúdo, pois o julgamento deles é crítico para tomar decisões contextualizadas sobre o conteúdo”.