Carlos Alberto de Oliveira Andrade recebe prêmios por atuação no mercado automobilístico

O empresário brasileiro Carlos Alberto de Oliveira Andrade, único acionista do Grupo CAOA, conquistou três prêmios pela sua atuação empresarial no ramo automobilístico. Um dos prêmios foi a 1º colocação na pesquisa de satisfação anual da JD Power.

A JD Power é uma consultoria estadunidense que é uma das autoridades internacionais mais renomadas no que diz respeito à avaliação de serviços do mercado automotivo pelo ponto de vista dos clientes.

Os outros prêmios recebidos por Carlos Alberto de Oliveira Andrade foi o 1º lugar em atendimento ao cliente pela categoria automóveis de luxo (o que fez o desbancar a Mercedes-Benz, que já estava há nove anos como vencedora do prêmio) e o título de Empresa do Ano de 2017, conquistado através de votação popular.

Essas duas últimas premiações foram concedidas ao Grupo CAOA pela revista brasileira Consumidor Moderno. Carlos Alberto de Oliveira Andrade, com um sorriso de contentamento inegável, reafirma que o Grupo CAOA “é uma empresa genuinamente brasileira que está, inclusive, à frente das multinacionais que operam no país.”

E se engana quem pensa que a satisfação por ter seu trabalho reconhecido cause um sentimento de acomodação no empresário.

A próxima meta está́ bem na ponta da língua de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, além de ser conhecida por todos os funcionários do Grupo CAOA, que é conquistar no futuro também o 1º lugar na pesquisa de satisfação da JD Power pelos seus serviços de pós-venda na concessionária.

Para Carlos Alberto de Oliveira Andrade, “aprimorar os serviços de pós-venda do Grupo CAOA é uma concretização deveras importante para a empresa por ser um objetivo no qual a companhia já vem investindo bastante”.

“Por isso – completa o empresário – temos a certeza de que nós alcançaremos essa conquista em breve.”

Hoje, a CAOA é a importadora exclusiva das marcas Subaru e Hyundai, além de ser também a maior distribuidora da montadora italiana de veículos Ford no Brasil.

Contando com a rede independente mais as doze lojas de seminovos que o Grupo CAOA possui, já são mais de 160 concessionárias que estão comercializando os modelos produzidos pela montadora CAOA no município de Anápolis, no estado de Goiás, onde está localizada a fábrica da empresa.

Os modelos citados anteriormente se referem aos SUVs Tucson, aos ix35 e aos New Tucson e utilitários HD80 e HR, além do Creta e do Hb20, todos produzidos pela HMB. Ainda existem outras frentes de negócio como, por exemplo, a rede de 130 oficinas da CAOA Consórcios e da CAOA Pós-Venda.

Andrade diz que sente muito orgulho de tudo o que fez e construiu. “Nunca cheguei a imaginar que um dia chegaria onde eu cheguei – complementa o empresário quando questionado sobre a sensação que tem ao rever a sua trajetória e a da companhia que ajudou a criar.

Para o futuro, Andrade também alimenta um sonho: além de fazer com que o Grupo CAOA continue a crescer, o empresário também espera que haja uma nacionalização maior da produção de carros no Brasil.

Guilherme Paulus e a sua importância no setor hoteleiro do Brasil

O empresário Guilherme de Jesus Paulus (ou simplesmente Guilherme Paulus, como é mais conhecido) sempre teve interesse pelo ramo hoteleiro. Antes mesmo de vender em 2009 a CVC, empresa fundada por ele e à qual ele conduziu ao posto de maior agência de viagens do Brasil, Paulus já pensava em se aventurar na gestão de hospedagens de luxo.

Seu primeiro hotel foi adquirido na década de 90, no estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Gramado. O negócio prosperou e, dez anos depois, o empresário adquiriu um resort no estado do Paraná, na cidade de Foz do Iguaçu, o que o levou a criar a GJP Hotels & Resorts.

Hoje, a empresa do ramo hoteleiro tem pelo menos doze hotéis de luxo próprios e sete sob sua administração em dez estados do Brasil. E os ativos da GJP Hotels & Resorts já somam o total de um bilhão de reais, com a façanha ainda de todos os seus hotéis manterem uma taxa de ocupação de cerca de 70%.

A razão para tanto sucesso? “As viagens entraram no hábito do brasileiro”, explica Paulus, que inclusive também foi bastante elogiado pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Dilson Jatahy Fonseca Júnior.

Para o presidente da associação, Guilherme Paulus teve que superar muitos desafios para chegar até aqui. Dentre eles, podem ser citados a a diminuição de turistas no país nos últimos dez ano e a alta carga tributária do Brasil.

Da parte de Guilherme Paulus, que ainda detém 25% das ações da CVC e continua atuando na presidência do conselho de administração da empresa, o que o tem levado para tão longe é a busca de um grande sonho: tornar-se o maior empresário do ramo hoteleiro no Brasil.

Esse sonho também aparece junto com outra preocupação: a de desenvolver o ramo do turismo no país. Hoje, o setor responde apenas por 3,5% de todas as riquezas geradas pelo Brasil.

O número é, de fato, baixo, no entanto apresenta um bom potencial de crescimento. E é nesse potencial que Guilherme Paulus apoia o seu sonho de crescer nos negócios e de fazer com que o Brasil cresça junto.

Quando pedimos ao empresário que descrevesse a sua vida atualmente, a resposta veio de forma natural e quase que instantânea: “continuo vivendo com a mesma intensidade de trabalho e de lutas que tinha quando iniciei com a CVC, ainda aos meus 22 anos de idade”, revelou.

“Isso é o que me dá prazer, é o que me ativa”, confessou ainda o empresário. Algo que significa, portanto, que apesar dos seus 68 anos de idade, a palavra aposentadoria certamente não faz parte dos planos de Guilherme Paulus.

Saúde e bem estar, controlando seu peso

Quando pesar.

Você tem acompanhado notícias de sua dieta por uma semana inteira. Pesar para ir! Agora é hora de começar a rastrear seu progresso (e certifique-se de que os pesky pounds não encontrem o caminho de volta). “É melhor dar um passo na escala pela manhã antes de comer ou beber – e antes de mergulhar em suas atividades diárias”, diz Newgent. Para obter o número mais confiável, certifique-se de verificar seu peso em um tempo consistente, seja diariamente ou semanalmente.

Policie suas porções.

O seu bife ocupa mais da metade do seu prato? Pense em cortar sua porção de carne ao meio. Isso porque é melhor tentar encher metade de seu prato com legumes ou uma mistura de vegetais e frutas frescas, diz Newgent, de modo que é mais difícil exagerar nos pratos mais calóricos (como batatas com queijo ou molho de churrasco – costelas cobertas – yum!).

Hora do coquetel de combate.

É a noite das mulheres? Se você sabe que vai beber mais do que uma bebida, sinta (e beba!) Sempre pedindo água entre coquetéis, diz Newgent. Dessa forma, você não acumulará calorias líquidas sorrateiras (e arruinará sua inibição para resistir àquelas varas de mussarela!). Mas o seu H20 não precisa ser desanimado. “Faça com que seja festivo, pedindo a variedade espumante com muita fruta, como uma fatia de limão, limão e laranja em um copo de martini ou highball”, acrescenta Newgent.

Coma isso, corra.

Quando você tem um 5 ou 10K (você pode comer mais com uma meia ou maratona completa) no seu calendário, é importante planejar o que você vai comer na manhã do grande dia – algo que vai mantê-lo abastecido e também desce fácil. Enquanto todos são diferentes, “Nós sempre temos boa sorte com um café da manhã rico em carboidratos, como uma pequena tigela de aveia com frutas ou um par de torradas com manteiga de amendoim ou cream cheese”, diz Andrew Kastor, que também aconselha comer em torno de 200 a 250 (principalmente carboidratos) calorias cerca de 90 minutos antes de você aquecer para a sua corrida. E não se preocupe em anular sua dose de cafeína no dia da corrida. “O café é ótimo para apresentações atléticas”, acrescenta Kastor, porque isso deixa você mais aguçado e pode até mesmo aumentar sua energia. Fale sobre o buzz-worthy!

Engenheiro cria empresa que ajuda motoristas a recorrerem de multas indevidas

Por diversos motivos, todos os dias motoristas de todo o país são penalizados com multas de trânsito indevidas. Sejam elas por um radar mal sinalizado, cobrança duplicada, algum erro de identificação, sinalização da via apagada, enfim, os motivos são diversos. Devido a isso, um ex-funcionário do Detran – Departamento Estadual de Trânsito -, resolveu entrar nessa briga e ajudar os motoristas injustiçados com as falhas do sistema de trânsito brasileiro.

Lucas Oliveira, foi testemunha de várias cobranças indevidas e sempre buscou soluções junto ao órgão enquanto trabalhava no departamento. Lucas é engenheiro formado e explica que depois de passar noites e dias em busca de soluções para os problemas, viu que as melhores soluções para o entrave observado neste setor são as soluções simples e objetivas.

“No dia a dia, fui cuidadoso em observar diversas questões que poderiam ser resolvidas com melhoras dentro do Detran. Sempre levava aos meus superiores soluções para diversos problemas, mas sempre ocorriam entraves desnecessários ao meu ver. Isso me desmotivou muito na época, pois eram coisas simples de serem resolvidas. As coisas sempre funcionavam de maneira lenta e isso acabava me deixando frustrado, pois o meu principal objetivo na minha profissão é de trazer benefício para a população e novas soluções para os problemas”, explica o ex-funcionário e atualmente empresário.

Lucas, cansado do que via, pediu demissão do Detran e com a ajuda do sócio Everton Estevam, abriu as portas para novas oportunidades de negócios dentro deste ramo. Com um investimento de R$ 20 mil, Lucas e o sócio abriram a Mister Multas, que tem como objetivo ajudar os motoristas de todo o país a lidar com as multas de trânsito cobradas indevidamente.

A empresa funciona com um cadastro que o motorista realiza junto a Mister Multas. Após o cadastro, o motorista multado recebe a confirmação em menos de uma hora se a multa pode ser reivindicada, os pontos na CNH anulados e os valores pagos ressarcidos. O objetivo desta empresa é oferecer aos motorista uma resposta rápida sobre essas questões, diferente do que observamos nos órgãos responsáveis por essas questões em todo o país.

Flavio Maluf, um dos pioneiros na modernização tecnológica do agronegócio brasileiro

Flavio Maluf é um empresário e presidente da Eucatex, que é umas principais empresas brasileiras responsáveis pela produção de papel e celulose. E de tal forma, o mesmo vê com bons olhos o crescimento do Brasil no que tange ao incentivo, a pesquisa e ao crescimento de empresas que tenham um viés tecnológico, como novas maneiras de revolucionar o cenário do agronegócio.

Por sua vez, acredita-se que as tecnologias digitais serão uma forma de reestruturar o modelo atual de produção alimentar, e principalmente, quanto ao agronegócio, a qual se aplica diretamente os negócios de Flavio Maluf. O processo de introdução da tecnologia no sistema produtivo brasileiro é bem mais lento quando comparados aos países de primeiro mundo, já que há uma grande burocracia e uma negação por primeiro impacto pelos radicais ou ativistas que tendem a achar que a tecnologia será um processo em massa de desemprego e um desgaste excessivo da vegetação e desmatamento abusivo. No entanto, ao demonstrar por meio de estudos, pesquisas e análises que a tecnologia surge como uma forma de acelerar, facilitar e não causar problemas ao meio ambiente, torna-se uma válvula com maior aceitação por parte da população. E para comprovar tal desenvolvimento, há um estudo da Strider(empresa de tecnologia da informação focada na modernização e no monitoramento da agricultura) que diz que um terço dos produtores rurais fazem uso de tecnologias digitais no Brasil.

Seguindo a trajetória de Flavio Maluf, a qual conseguiu formular o sucesso empresarial mediante o investimento em setores que no Brasil tratam-se de verdadeiros modelos de empreendedorismo tecnológico, que seria a questão da empresa Eucatex, que é uma produtora de papel e celulose, e também ele é o presidente e executivo do Grupo GrandFood, que fica responsável por produzir alimentos para animais, e é um dos pioneiros do Brasil nesse setor, consequentemente gera altos números de empregos ao Brasil. E olhando por esse ângulo Flavio Maluf parte como um grande incentivador e pioneiro da tecnologia em massa no agronegócio brasileiro.

Empreendedor usando a tecnologia a seu favor

Os empreendedores que estão começando hoje têm tudo o que precisam na ponta dos dedos, e podem usar a tecnologia digital para garantir que possam ampliar suas empresas mais no primeiro ano do que nunca. Eles estão redefinindo o que significa ser um empreendedor e estão mostrando ao mundo onde há mais de uma maneira de administrar um negócio. As velhas formas que podem não ter sido bastante eficazes serão deixadas para trás em favor de algo que vê os lucros dispararem no primeiro ano.

 

Um empreendedor é um indivíduo que identifica uma necessidade de negócios no mercado e trabalha para cumpri-la.

O termo, historicamente, tem sido aplicado a um indivíduo que inicia um negócio, vendo a capacidade de satisfazer essa necessidade identificada como uma oportunidade econômica.

 

A definição de empreendedor de livros didáticos fala dessa percepção clássica. Considere, por exemplo, a definição de Merriam-Webster que explica empreendedor como “alguém que organiza, gerencia e assume os riscos de um negócio ou empresa”.

Howard Stevenson, professor da Harvard Business School, cuja pesquisa e ensino se concentrou no campo do empreendedorismo, disse: “Empreendedorismo é a busca de oportunidades além dos recursos controlados”.

Tipos de empreendedorismo.

No entanto, empreendedorismo , empreendedorismo e empreendedorismo expandiram significados hoje. Por vezes, são utilizados para descrever indivíduos capazes de identificar necessidades não satisfeitas numa variedade de contextos, incluindo empresas existentes, e procurar formas de satisfazer essas necessidades.

Como tal, esses termos também são aplicados a um modo de pensar e a uma maneira de organizar ou gerenciar, em vez de simplesmente uma maneira de desenvolver um novo negócio.

Por exemplo, as pessoas descrevem indivíduos inovadores em ambientes não comerciais, como organizações sem fins lucrativos e movimentos sociais, como empreendedores sociais.

Indivíduos inovadores que trabalham em empresas existentes são às vezes chamados de intraempreendedores . Outros termos utilizados no ambiente corporativo são empreendedorismo corporativo e intra – empreendedorismo.

Além disso, os termos empreendedor , empreendedor e empreendedorismo são às vezes aplicados a indivíduos que identificam e buscam novas formas de trabalhar ou novos processos e procedimentos, independentemente de suas posições ou configurações. É ocasionalmente usada como sinônimo de um cavador , que também poderia ser descrito como tendo um espírito empreendedor.

Brasil fica de fora da rota de novos lançamentos da Coca-Cola todos os anos

Mesmo parecendo que a Coca-Cola não possui uma grande variedade de produtos, as novidades estão sendo lançadas constantemente pela marca. Porém, esses produtos não chegam aqui no Brasil e são comercializados nos Estados Unidos, Japão e países da Europa. Somente no Japão, são mais de 1.000 novos produtos lançadas todos os anos.

As notícias sobre novos lançamentos de produtos da marca, não estão focadas no público-alvo brasileiro, como é o caso do mais novo produto lançada pela empresa, a Coca-Cola Frozen Lemon. O produto foi lançado em agosto de 2018 no Japão, com base em pesquisas de 8 anos sobre as perspectivas de mercado para essa novidade.

Trata-se de uma raspadinha congelada comercializada em uma bolsa e que promete ser uma sensação da marca. De acordo com a Coca-Cola, foram realizados mais de 100 protótipos ao longo desses oito anos de muita pesquisa. A Coca-Cola Frozen Lemon é o primeiro produto congelado lançado pela empresa. A companhia tem confiança nos produtos que buscam novidades oferecidas aos consumidores nos países de maior impacto econômico positivo para os negócios da marca.

Essa perspectiva positiva de que o novo produto lançado no Japão irá dar certo, é porque já foram lançados junto com o sabor limão, as raspadinhas sabor laranja e uva da Fanta. A Coca-Cola anunciou em julho deste ano o lançamento de uma bebida alcoólica. O produto ainda não está disponível aos consumidores, mas assim que estiver, será lançado primeiramente no Japão. O produto alcoólico será um tipo de “Chu-Hi”, uma bebida comum no país asiático, vendida em latas e com um toque gaseificado.

Segundo o presidente da Coca-Cola no Japão, Jorge Garduno, a iniciativa de novos produtos da marca comercializados no Japão, é devido a dinâmica do mercado neste país, que tem uma característica altamente competitiva com produtos inovadores.

“Nossa equipe busca constantemente novas maneiras de explorar o mercado consumidor japonês, tanto do ponto de vista dos produtos comercializados, como na tentativa de encontrar novas perspectivas de negócios com nossos clientes. Ainda que muitos mercados existentes no mundo acabam se tornando mais parecidos com o Japão, a tradição e a cultura do país asiático é única, e diversos produtos que nasceram aqui ficaram aqui”, explica Garduno.

Por que as pessoas se tornam empreendedoras

Empreendedores criam empregos: sem empresários, empregos não existiriam. Os empreendedores assumem o risco de se empregarem. Sua ambição de continuar o crescimento de seus negócios eventualmente leva à criação de novos empregos. À medida que seus negócios continuam a crescer, ainda mais empregos são criados. Assim, diminuindo as taxas de desemprego, ajudando as pessoas a alimentar suas famílias.

Os empreendedores criam a mudança: os empreendedores sonham grande e, naturalmente, algumas de suas idéias farão mudanças em todo o mundo. Eles podem criar um novo produto que resolva um problema de queima ou aceite o desafio de explorar algo nunca antes explorado. Muitos acreditam em melhorar o mundo com seus produtos, idéias ou negócios.

Os empreendedores dão à sociedade: Enquanto alguns têm essa noção de que os ricos são maus e gananciosos, eles geralmente fazem mais pelo bem maior do que a pessoa comum. Eles ganham mais dinheiro e, portanto, pagam mais impostos que ajudam a financiar os serviços sociais. Os empreendedores são alguns dos maiores doadores para instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos por várias causas. Alguns procuram investir seu dinheiro na criação de soluções para ajudar as comunidades mais pobres a terem acesso a coisas que consideramos garantidas como água potável e bons cuidados de saúde.

Por que as pessoas se tornam empreendedoras

o que é empreendedorismo

Com mais de 400 milhões de empreendedores, o empreendedorismo tem um apelo internacional. Todo empreendedor tem seu próprio “por que” que os levou a mergulhar em ser seu próprio patrão. Quer os empresários precisem de mais liberdade ou tornem o mundo um lugar melhor, todos eles assumem o controle de suas vidas vivendo a vida em seus próprios termos. Aqui estão algumas das razões pelas quais as pessoas se tornam empreendedoras:

Para mudar o mundo: muitos empreendedores se esforçam para tornar o mundo melhor. Quer os empresários acreditem na exploração do espaço, eliminem a pobreza ou criem um produto prático, mas revolucionário, acabam por construir uma marca a serviço dos outros. Alguns empreendedores usam seus negócios como uma maneira de levantar capital rapidamente para canalizar suas causas nobres. Para os empreendedores sociais, construir um império é criar um mundo melhor para todos.

Guilherme Paulus, empreendedor do ano pela revista Dinheiro

Com um nome de destaque no cenário de empreendedorismo nacional, Guilherme Paulus, de 68 anos, revelou sua trajetória, motivações e estratégias em entrevista concedida à TV Dinheiro, no programa Moeda Forte. Responsável por impulsionar a companhia CVC, tornando-a uma empresa de renome no cenário de turismo, Paulus também é reconhecido pelos seus trabalhos com a Webjet, empresa tradicional do setor áereo, principalmente pelo seu repasse à companhia Gol, por R$ 70 milhões. É por essas e outras que o empresário foi eleito o Empreendedor do Ano em Serviços, pela revista Dinheiro.

Com um patrimônio pessoal invejável, Guilherme Paulus controla 8% da CVC, empresa estimada em R$ 6,35 bilhões em valores atuais de mercado. Não obstante suas conquistas consideráveis, o empresário ainda investe no setor de hotelaria, especificamente no grupo GJP, ao qual já destinou R$ 600 milhões em recursos nos últimos anos. A empresa, cuja rede de hotéis se estende por 11 estados do Brasil, é uma das que mais crescem no ramo de hotelaria no país.

A rede de hotéis GJP possui atualmente quatro bandeiras: a Linx, de três estrelas; a Prodigy, de quatro estrelas; a Wish, bandeira de cinco estrelas e a linha premium Saint Andrews, com o selo Relais & Châteaux, um dos mais exclusivos da hotelaria nacional, situado na cidade de Gramado. De acordo com os últimos dados de pesquisa, até outubro de 2017 já haviam passado mais de 92 mil hóspedes pela rede GJP, cuja equipe conta com 1,9 mil colaboradores. Guilherme Paulus ainda lembrou que a média atual de hóspedes está em 62 %, com uma tendência de aumento diretamente proporcional aos recursos destinados para investimentos no setor. O levantamento ainda apontou que a taxa de crescimento do grupo GJP teve uma alta de 5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os números, para o empresário, que acabou de inaugurar o Saint Andrews Mountain e que em breve abrirá o Wish Natal, salientam a perspectiva promissora para a área hoteleira e um potencial de crescimento ainda maior no futuro.

O total de investimentos para a rede, que também assumiu recentemente o mando da Marulhos Suítes Resort, em Porto de Galinhas, soma R$ 80 milhões até agora. É por essas medidas e esforços que os empreendimentos de Guilherme Paulus estão entre os mais importantes do país, como é o caso do Wish Foz do Iguaçu, no estado do Paraná, eleito pela World Golf Awards 2017 como o melhor hotel brasileiro de golfe do ano. Como se a conquista do título internacional não bastasse, o empresário também lembrou o lançamento do primeiro condomínio residencial do grupo GJP, também em Foz do Iguaçu, com 109 lotes de moradias entre 800 e 1,8 mil metros quadrados. O valor dos bens residenciais varia entre R$ 528 mil e R$ 1,38 milhão, e projetos similares serão construídos em Maceió e Aracaju.

Apesar dos empreendimentos de Paulus, muitos consideram seus esforços como demasiados corajosos, tendo em vista a desfavorável situação econômica por que passa o país. De acordo com Dilson Jatahy Fonseca Junior, presidente da ABIH Nacional (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), o cenário atual é de uma carga tributária elevada e um exagerado custo no país, sem falar na queda considerável do índice de turismo. Para Fonseca Junior, investir na situação econômica atual é para aqueles que acreditam realmente no Brasil.

Tudo o que você precisa saber para empreender no setor de beleza!

Ao mesmo tempo em que é muito competitivo, o mercado da beleza, no Brasil, é forte e sólido. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), a tendência é que o setor cresça 2% em 2018.

Muita gente quer ter seu próprio negócio e entrar neste mercado, mas não sabe como.A primeira dica é estudar e se atualizar para conseguir competir com outros salões e centros estéticos. Fazer cursos e especializações acaba sendo essencial para se destacar. Ter um empreendimento no ramo da beleza também exige estar por dentro das últimas tendências da moda.

Outra dica importante é encontrar um nicho específico para atender. Atualmente, existem salões especializados nos mais diversos serviços, como cortes para cabelos lisos e afros até pinturas e descolorimentos.

Ainda há estabelecimentos dedicados ao design de sobrancelha ou a cuidar da barba de homens. Definido o seu nicho, fica mais fácil de acompanhar as novidades sobre as quais falamos acima. Lembre-se que as tendências que um adolescente segue são diferentes de uma mulher com mais de 60 anos.

Depois de definir o nicho, é preciso conhecer e entender o cliente. O salão precisa suprir as necessidades de quem o frequentar, levando em consideração seu poder aquisitivo, idade, sexo e outras características que podem ser definidas como importantes. Ao fazer o consumidor sentir-se em casa, há muito mais chances dele voltar a utilizar o serviço.

Em tempos de redes sociais e internet, um bom marketing é outro fator decisivo para se destacar no mercado. No caso do setor da beleza, sempre há possibilidade de fazer parcerias com outros negócios, como fornecedores e marcas. Participar de congressos, eventos e encontros pode ser uma boa forma de se estreitar essas relações e divulgar a marca e serviços especializados. Para os clientes, dar descontos em determinados dias nunca é uma má ideia.

Por fim, é necessário ter cuidado com o preço. Um estabelecimento escolhido somente pelo preço precisa melhorar o seu serviço e atendimento, pois logo pode aparecer um concorrente fazendo um valor ainda melhor!